‘Jane, a Virgem’ teve o final sincero que merecia

Nota: Esta história contém spoilers do final da série de Jane the Virgin, que foi ao ar na quarta-feira.

A cena mais impactante do final da série Jane, a Virgem, provavelmente não foi aquela em que nossa amada heroína, Jane Gloriana Villanueva (Gina Rodriguez), caminha pelo corredor, nem aquela em que sua abuela, Alba (Ivonne Coll), lembra memórias calorosas se formaram em sua casa em Miami - embora qualquer uma delas possa trazer lágrimas aos seus olhos. A cena é breve em que todas as três gerações de mulheres Villanueva se sentam no balanço da varanda do lado de fora da casa de sua família, onde conselhos valiosos costumam ser dados. Mas desta vez, as mulheres refletem em silêncio. Eles se sentam lado a lado e choram ao ver o sol nascer.

Pois é o amanhecer de um novo dia em mais de um: Jane vai se casar naquela tarde, marcando uma nova fase na vida que ela escolheu para compartilhar com Rafael Solano (Justin Baldoni), o pai de seu filho. Xiomara (Andrea Navedo), mãe de Jane e filha de Alba, superou seu medo de sair de sua zona de conforto; em três dias, ela se mudará para Nova York com o marido, o ator de novela Rogelio de la Vega (Jaime Camil), para que ela possa estudar enfermagem e ele estrelar um programa de televisão americano. Alba, ela mesma uma recém-casada, tem que deixar ir as mulheres de temperamento forte que ajudou a criar.



‘Jane the Virgin’ é cheia de reviravoltas na novela. Também é profundamente real.

Baseada em uma novela venezuelana, Jane sempre se apoiou em sua sabonabilidade. Afinal, toda a premissa da série CW foi construída sobre Jane sendo acidentalmente inseminada em uma consulta médica - com o esperma de seu irmão milionário do ginecologista distraído, nada menos. Um triângulo amoroso persistiu por cinco temporadas entre Jane, Rafael e Michael Cordero (Brett Dier), o noivo de Jane que se torna seu ex-noivo, seu noivo mais uma vez, seu marido, seu marido morto, seu marido de repente vivo de novo e, finalmente, seu ex-marido. Assassinatos acontecem, gêmeos malvados aparecem, um bebê recém-nascido é sequestrado.

A história do anúncio continua abaixo do anúncio

E, no entanto, no fundo, Jane era um show sobre como encontrar força por meio do amor, que pregava a bondade mesmo nas situações mais terríveis. Sem medo de usar seu coração na manga, o show serviu como um antídoto para o cinismo que assomava em outras partes da televisão.

O final abraçou totalmente esse sentimento, amarrando as pontas soltas em um laço, mas deixando folga suficiente para parecer realista - pelos padrões de Villanueva, pelo menos. Jane, por mais controladora que seja, aprendeu a confiar nos outros de vez em quando. Ela consegue um negócio lucrativo de um livro sozinha, mas permite que Rafael a ajude a conseguir uma cópia dele para seu autor favorito para consideração de publicidade. Rafael, que se esforçou para encontrar seus pais biológicos depois de saber que foi adotado, descobre que eles estão mortos, mas aceita isso quase que instantaneamente. A notícia o teria deixado melancólico no início da série, mas agora, confiante em si mesmo e cercado pela família, ele percebe que tem todo o apoio de que precisa.

Com a mesma frequência com que subverte os tropos da telenovela, Jane subverte nossa suposta compreensão de todos no programa. Rafael, por exemplo, foi apresentado como um playboy hipermasculino, mas chora durante toda a cerimônia de casamento. Rogelio, um narcisista bem-intencionado que entrou na vida de Jane aos 20 anos, acaba sendo um pai e marido atencioso, chegando mesmo a beirar também pensativo às vezes.

A história do anúncio continua abaixo do anúncio

Mas a personagem com o arco mais satisfatório pode ser Petra Solano (Yael Grobglas), ex-mulher de Rafael, com quem ele ainda era casado quando Jane começou. Petra foi apresentada como um contraponto a Jane, cimentada por suas ações vilãs para sabotar a vida de Rafael depois que ele pediu o divórcio. Mas, à medida que o show prosseguia, e mesmo depois de se inseminar com o esperma de Rafael sem seu conhecimento, Petra ganhou o favor do público. Ela aprendeu a superar uma educação traumática, aceitando o amor de Jane, a quem ela considera uma irmã, e de J.R. (Rosario Dawson), uma parceira romântica que ajuda a quebrar as paredes que Petra escondeu há muito tempo.

A criadora Jennie Snyder Urman tratou seus personagens com empatia, uma característica que se estendeu à representação da herança mexicana-venezuelana de Jane. Jane se divertiu com as diferenças culturais entre cada geração da família Villanueva, mas teve o cuidado de nunca menosprezá-las. A rede de televisão sentirá falta dessa fonte de representação do Latinx, que variava de algo tão sério quanto um longo arco sobre o status de Alba como uma imigrante sem documentos até algo tão pequeno, mas significativo como Rogelio colocando um laço de casamento mexicano em torno de Jane e Rafael no final.

Embora ocorra no meio do episódio, há um adeus implícito embutido naquela cena no balanço da varanda - para Xo, talvez, mas mais ainda para o show e as lições que ele transmitiu. Graças a Urman, que planejou que Jane durasse exatamente 100 episódios desde o início, a despedida é mais doce do que amarga. Deixamos os Villanuevas sabendo que eles estão indo para um território desconhecido, seguros de si mesmos e do quanto se importam uns com os outros. É o final sincero que eles merecem.